Alimentação e infância: o que não pode faltar na mesa dos pequenos

798

Crianças que estão em fase de crescimento devem se alimentar diariamente de frutas, laticínios, vegetais de cores variadas (inclusive saladas cruas), cereais integrais e proteína de origem animal. Para ter disposição para crescer com saúde e praticar esporte, eles necessitam de aporte extra de nutrientes, já que a demanda energética é maior.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a alimentação infantil vai do nascimento até o fim da adolescência, aos 19 anos de idade.

 

O cálcio, por exemplo, é imprescindível para a formação óssea e a contração muscular, enquanto o transporte de oxigênio para o organismo depende do ferro. Sem eles, o rendimento fica comprometido, assim como o desenvolvimento da criança como um todo.

 

Confira, a seguir, os princípios básicos da alimentação para quem pratica atividade física – esses seis alimentos não podem faltar no prato. Combinados, eles garantem ossos e músculos saudáveis e muita disposição.

 

Estudos mostram que o filho que faz ao menos quatro refeições por semana com a família tem menos risco de desenvolver transtornos alimentares, agressividade e inapetência. Mas muito da alimentação incorreta das crianças está no comportamento dos pais: para ajudá-las, é preciso antes mudar o padrão alimentar dos adultos.

 

Cabe a nós, pais, mostrar o mundo maravilhoso dos alimentos para todos. Hoje em dia, querem comida rápida e prática de ser consumida. Mas fruta também é ‘fast food”, afinal basta descascar e comer.

 

O que não pode faltar na mesa

1 – Carne, ave ou peixe – A falta dela pode gerar fraqueza, perda de massa muscular e até lesões.

 

2 – Ovo – Rico em gordura insaturada (a chamada gordura boa) e proteína de alto valor biológico, é outro alimento essencial no prato dos atletas mirins. E com uma vantagem extra: a criançada costuma comer com gosto.

 

3 – Arroz e feijão – É a combinação perfeita de aminoácidos importantes para a construção muscular e, consequentemente, para o desenvolvimento da criança”, afirma Vivian. Também contam ponto os carboidratos – são eles que fornecem energia, fundamental durante o treino.

 

4 – Fruta – Doces e fresquinhas, elas devem estar presentes nos lanches intermediários e também substituir a sobremesa ao término das refeições.

 

5 – Legumes e verduras – Mas eles não podem ser eliminados da alimentação saudável – fontes de vitaminas, minerais e fibras, os legumes são fundamentais para a imunidade.

 

6 – Até os 5 anos, a criança deve ingerir 750 mililitros de leite por dia para garantir o aporte de cálcio necessário à formação dos ossos – é possível obter a mesma quantidade desse nutriente em 50 gramas de queijo branco ou 150 mililitros de iogurte.

 

Afaste dos pequenos

A alimentação complementar oferecida de forma inadequada também pode resultar em problemas como anemia, excesso de peso e desnutrição. “Alimentos com grandes quantidades de açúcar, gordura e corantes devem ser evitados, pois podem prejudicar a qualidade da dieta, resultando no aumento do peso e na ingestão deficiente de micronutrientes”, alerta a nutricionista.

 

Apesar de suas excelentes propriedades medicinais, o mel também não deve ser consumido por crianças com menos de 1 ano. Se contaminado, ele pode levar ao botulismo, assim como o palmito e os picles em conserva, além de alimentos embutidos como salsichas, salames, presuntos e patês.

 

Já o consumo de sal em excesso está associado ao aparecimento de hipertensão arterial, inclusive na infância, e consequente aumento no risco de doença cardiovascular, quando adulta. Há diversas opções de ervas e vegetais que podem ser utilizados, como alho, cebola, tomate, pimentão, entre outros ingredientes.

 

Gostou do nosso artigo? Compartilhe com os amigos!

Deixe uma resposta