Reposição hormonal na menopausa pede uma alimentação específica?

709

A menopausa é um acontecimento natural na vida das mulheres. Ao contrário do que o senso comum costuma atribuir, o termo se refere apenas à última menstruação da mulher que está encerrando sua idade reprodutiva. O período menstrual se inicia com a menarca, entre 10 e 15 anos, e se encerra na menopausa, que pode ocorrer entre 45 e 55 anos. O que se segue após o último ciclo menstrual é denominado climatério.

Esta fase é caracterizada por alterações físicas e emocionais, isoladas ou em conjunto, causadas pela interrupção da produção de hormônios pelos ovários. Insônia, ondas de calor, palpitações, redução da capacidade de concentração e diminuição da libido são os sintomas mais relatados.

Não é fácil conviver com as consequências das alterações hormonais. para minimizar seus efeitos, sugiro que a paciente faça um acompanhamento multiprofissional com ginecologista, nutrólogo e psicólogo. O apoio dos parentes próximos também é um fator fundamental para a aceitação desse processo biológico.

Para amenizar tantas implicações, que costumam afetar o comportamento e o estilo de vida da mulher de forma negativa, a reposição hormonal pode ser indicada. Porém, sua recomendação não é tão simples, pois precisamos levar em conta os efeitos colaterais decorrentes dessa intervenção, além de considerar que essa não é uma opção válida para todas as mulheres.

A reposição hormonal é contraindicada, por exemplo, quando a paciente sofre de insuficiência hepática, doença coronariana, possui triglicerídeos ou quando há histórico familiar de câncer de mama. Além disso, se a paciente for fumante, diabética ou portadora de dislipidemia, há contraindicações relativas para a reposição hormonal, e isso deve ser analisado juntamente com o médico.

Especificidades alimentares da menopausa

Para as mulheres que possuem contraindicação ao tratamento de reposição hormonal, ou para as que temem mais seus efeitos colaterais do que os sintomas do próprio climatério, ressalto a importância de um acompanhamento nutricional.

Durante e após a menopausa, o metabolismo diminuído representa uma maior propensão a engordar. Ao mesmo tempo, novos hábitos alimentares podem contribuir para uma melhor qualidade de vida, atuando como uma reposição hormonal natural, em que não há restrições, efeitos colaterais ou riscos de interação medicamentosa.

Em alguns casos, a dieta pode até interferir na idade em que a produção hormonal feminina é interrompida. Um estudo feito na Inglaterra, com quase mil mulheres entre 45 e 60 anos, observou que as que mantinham um cardápio rico em carboidratos simples tiveram sua menopausa antecipada em até um ano e meio, de acordo com a média britânica de 51 anos.

Já no caso das que consumiam mais peixes e legumes frescos diariamente, o fim da menstruação chegou até três anos mais tarde do que o esperado.

A vantagem do grupo que teve a menopausa adiada está relacionada a ingestão de ômega-3, vitaminas e outros antioxidantes, que estimulam o bom funcionamento das células, inclusive as dos ovários.

Alimentos e nutrientes que atenuam os efeitos da menopausa

Como vimos na pesquisa britânica, os ingleses já comprovaram que o cardápio tem influência sobre o tempo da chegada da menopausa.

Abaixo, listo alguns alimentos que podem auxiliar no combate aos efeitos do climatério:

Peixesfonte de zinco, contribui para a síntese de hormônios, melhorar funções ovarianas e otimizar as funções estrogênicas.
Nozes e castanhas: fontes de gorduras boas e antioxidantes. Atuam na redução dos danos às células dos ovários.

Ovos: Têm proteína e vitaminas, como a D, que atuam na absorção de cálcio e, assim, ajudam a prevenir a osteoporose.

Chocolate 70% cacau: Apesar de não agradar a qualquer paladar, é uma boa fonte de triptofano, substância que atua no humor, promovendo sensação de bem-estar.

 

Você já está no climatério ou sente a menopausa se aproximar? Agende uma consulta e vamos traçar um plano alimentar personalizado para fazer da alimentação sua grande aliada nesse período especial da jornada feminina.

Deixe uma resposta