Dia do Lixo

262
Foto: happy_lark / Canva

Manter uma dieta, muitas vezes, pode se tornar um grande desafio, principalmente quando ela se equipara à privação. Pessoas que são adeptas a este estilo de alimentação mais limitado – seja para emagrecimento ou ganho de massa muscular – tentam fazer o possível para diminuir a dificuldade.

O ‘Dia do Lixo’, como é conhecido, é uma das táticas para minimizar o impacto da dieta na vida de quem as faz. A origem do termo está atrelada à comunidade de bodybuilders, grupo que se sujeita a estratégias mais duras e treinos intensos para perder peso a fim de competir.

Inicialmente, a ideia desse método é ter um dia livre para comer o que quiser sem que essa decisão cause descontrole e, também, soe como recompensa para o trabalho duro que tem sido realizado.

Entretanto, não se trata apenas de um dia no qual o indivíduo realiza seus desejos e coma tudo o que quiser. Existem danos que, se realizados com frequência, podem atrapalhar e muito a vida de quem adere ao Dia do Lixo.

Conforme o estudo norte-americano publicado na revista Molecular Nutrition and Food Research, em três dias que uma pessoa quebre a dieta pode ocorrer grande impacto na saúde intestinal, assim como uma alimentação regada a fast-food.

Da mesma maneira que, no estudo da Universidade da Geórgia, Estados Unidos, identificou que cerca de 61% da população ganham peso durante as férias, por se sentirem mais flexíveis em relação à alimentação.

Ao analisar os estudos é possível compreender que há uma gravidade ao burlar a rotina de alimentação, tecnicamente saudável, consumindo todo tipo de comida que saia da dieta que está sendo seguida.

Prejuízos ao fazer o dia do lixo

Para quem iniciou o processo de reeducação alimentar e está se adaptando, a estratégia de consumir tudo o que quiser em um só dia pode resultar em compulsão alimentar. Além disso, após o Dia do Lixo decorre o sentimento de culpa e frustração e a alimentação volta ao ponto inicial de se tornar totalmente restritiva.

Outra perspectiva a se avaliar sobre essa estratégia é como o organismo reage às mudanças e como alguns alimentos têm interferido nesse processo. Além disso, a estratégia de fuga pode levar o paciente a desenvolver uma associação negativa ao que gostava de comer antes.

A partir disso, a dieta passará a ser compreendida como um objetivo ruim, difícil e que sempre precisará ser recompensada, fugindo do propósito de ser uma reeducação alimentar com foco na saúde.

Dia livre sem prejuízos

Fazer apenas uma refeição livre por semana pode diminuir os danos, ao “fugir” da dieta. Normalmente, essa técnica de comer apenas uma refeição livre não prejudica a perda de peso, pois o corpo consegue se adaptar e retornar rapidamente ao novo processo metabólico.

A refeição livre pode ser feita em qualquer dia da semana e horário, de acordo com sua rotina. O mais importante é não ter exageros e esse momento ser quase de degustação.

Pessoas que sofrem com transtorno alimentar não devem aderir à estratégia, pois geralmente são mais afetadas com o intervalo na dieta. O sentimento de liberdade pode se tornar um gatilho e estimular crises.

Se você tem dúvidas de como seguir uma dieta de forma saudável, entre em contato pelo número abaixo e agende uma consulta! Juntos poderemos fazer o melhor para você e sua saúde.

Deixe uma resposta